Síndrome de Brown-Sequard

A Síndrome de Brown-Sequard é uma lesão medular incompleta, que se identifica por um quadro clínico chamado de hemi-secção da medula. A síndrome de Brown-Sequard é geralmente encontrada nas lesões cervicais. A síndrome pura de Brown-Sequard é mais rara. É comum encontrarmos quadros clínicos característicos da síndrome de Brown-Sequard ou sinais clínicos de hemi-secção da medula relacionada a outros sinais e sintomas.

Sinais Clínicos:

A síndrome de Brown-Sequard pode ser decorrente de uma lesão penetrante na medula espinhal, porém outras patologias também podem ser relatadas como causas da síndrome. A hemi-secção completa causadora da manifestação pura da síndrome de Brown-Séquard é muito rara. O que ocorre mais frequentemente é a hemi-secção incompleta causando parte da síndrome de Brown-Sequard associada a mais outros sinais e sintomas.

Características da Síndrome de Brown-Séquard pura:

Interrupção do trato corticoespinhal lateral.
Paralisia espástica homolateral e abaixo do nível da lesão.
Sinal da Babinski do mesmo lado da lesão
Reflexos patológicos e sinal de Babinski podem não estar presentes na fase aguda da lesão.
Interrupção da substância branca posterior.
Perda da sensibilidade tátil do mesmo lado da lesão e perda da noção de posição segmentar abaixo do nível da lesão.
Interrupção do trato espinotalâmico lateral.
Perda da sensação da sensibilidade dolorosa e da sensibilidade térmica do lado contrário da lesão, que geralmente acontece nos 2-3 segmentos abaixo do nível da lesão.

Características da Síndrome parcial de Brown-Sequard:

Perda da sensibilidade assimétrica com diminuição da sensibilidade dolorosa do lado menos parético.

Causas da Síndrome de Brown-Sequard:

Tumores medulares, primitivos ou metastáticos.
Trauma penetrante.
Doenças degenerativas como hérnias de disco ou espondilose cervical.
Isquemia.
Causas infecciosas e inflamatórias como meningite, empiema, herpes-zoster, herpes simples, mielites, tuberculose, sífilis e esclerose múltipla.
Hemorragia subdural, epidural e hematomielia.

DIAGNÓSTICO:

O diagnóstico clínico da Síndrome de Brown-Sequard é baseado na história e exame físico do paciente. O exame de laboratório não é necessário para avaliar o estado inicial, porém pode ajudar no acompanhamento da evolução clínica do portador da síndrome. O acompanhamento laboratorial também pode ser importante para detectar a etiologia da síndrome de Brown-Sequard quando se tratar de uma síndrome traumática. Em outros casos,os estudos laboratoriais não têm nenhuma influência no diagnóstico da Síndrome de Brown-Sequard.

Exame de Raio X simples:
As imagens mostram lesões ósseas e o tipo trauma, se ele é penetrantes ou cego. Nas lesões cegas podem ocorrer fraturas em regiões vizinhas que poderão ocasionar a Síndrome de Brown-Sequard.

Ressonância Magnética (MRI):
Exame que mostra a extensão de uma lesão medular, tendo a utilidade de fazer o diagnóstico diferencial das causas das síndromes não traumáticas.

Mielograma:
É feito quando a Ressonância Magnética (MRI) está contra-indicada.

Procedimentos:

Pacientes com Síndrome de Brown-Sequard traumática deverão ser avaliados para ver se apresentam outras lesões, como as vítimas de trauma. São incluídos nestes procedimentos:
Devido aos diferentes graus de disfunção que poderão ser apresentadas pelo paciente nesta área, a bexiga, deverá ser feita a cateterização da bexiga.
Imobilização imediata.
Sonda Nasogástrica:
A sondagem com a drenagem do conteúdo gástrico, previne a aspiração. Na fase aguda, os pacientes estão mais sujeitos a desenvolver íleo paralítico.

Imobilização da coluna cervical:
No caso de haver suspeita de instabilidade da coluna, a imobilização da coluna cervical ou da coluna dorsal é solicitada. Podendo ser requerido o uso do colar cervical para imobilização ou a colocação do aro de Gardner, no caso de fratura cervical detectada.

Investigar lesão intra-abdominal:
Pacientes com síndrome de Brown-Sequard apresentam diversos níveis de perda de sensibilidade, sendo obrigatória a investigação de lesão intra-abdominal através de lavagem peritoneal ou Raio X de abdômen.

Tratamento da Síndrome de Brown-Sequard:

Cuidados antes da hospitalização: É importante no cuidado de um paciente com Brown-Sequard, suspeitar imediatamente de lesão medular cervical ou de outra parte da coluna, para tomar as devidas providências para imobilizar o paciente com a síndrome.

Cuidados na Sala de Emergência:

Uma avaliação detalhada deverá ser feita na sala de emergência, incluindo um exame neurológico completo para visualizar o nível da lesão. Imobilização cervical e/ou dorsal deverão ser feitas no caso das respectivas lesões medulares.
A perda da sensibilidade nos pacientes com a síndrome de Brown-Sequard faz também a investigação de outras lesões mais complicadas. Nestes casos é importante que o paciente se submeta a exame físico completo.

Parecer Médico:

O parecer médico de um neurocirurgião ou ortopedista é imprescindível para determinar qual o melhor procedimento a ser feito.

ACOMPANHAMENTO

Transferência:

É apropriado transferir o paciente para um Centro Especializado em Traumas onde ele poderá ser melhor assistido por especialistas em Lesão Medular. Entretanto, a transferência só deverá ser seguida após um exame clínico criterioso, inclusive buscando a possibilidade de haver outras lesões no corpo.

Complicações:
Todas as complicações que forem associadas a Lesão Medular.

Prognóstico:
O prognóstico da síndrome de Brown-Sequard vai depender muito da etiologia da síndrome. O tratamento precoce com altas doses de corticosteroides tem evidenciado  benefícios em pacientes portadores de Lesão Medular.

Fonte: Pesquisa online.

Imagens: Google.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *