Derrame Pleural

https://go.hotmart.com/O5592252

https://app.monetizze.com.br/r/ABL212415

Definição de Derrame Pleural:

derrame pleuralÉ o acúmulo anormal de líquido na cavidade pleural, que é o espaço virtual entre as pleuras visceral e parietal, as quais deslizam uma sobre a outra, separadas por uma fina película de líquido.

Tipos de Derrame Pleural:

O derrame pleural é dividido entre transudato e exsudato, de acordo com a composição química do líquido pleural. Os critérios de classificação usados para diferenciar um derrame pleural de outro são:

Transudato

Relação entre proteína do líquido pleural e sérica menor ou igual a 0,5

Relação entre DHL do líquido pleural e sérica menor ou igual a 0,6

DHL no líquido pleural abaixo de 2/3 do limite superior no soro.

Exsudato

Relação entre proteína do líquido pleural e sérica maior que 0,5

Relação entre DHL do líquido pleural e sérica maior que 0,6

DHL no líquido pleural acima de 2/3 do limite superior no soro.

derrame pleural 3Causas do Derrame Pleural:

Transudato

Mais comuns:

Insuficiência cardíaca congestiva

Embolia pulmonar (20% dos derrames pleurais na embolia pulmonar são transudatos)

Atelectasias

Hipoalbuminemia

Diálise peritoneal

Cirrose hepática

Síndrome nefrótica

Glomerulonefrite

Neoplasias (raramente o derrame nas neoplasias e na sarcoidose são transudatos).

Causas mais raras:

Iatrogenia (infusão de solução pobre em proteínas no espaço pleural)

Pericardite constritiva

Urinotórax

Obstrução da veia cava superior

Mixedema

Desnutrição

Sarcoidose

Fístula liquórica para a pleura

Procedimento de Fontan (é um procedimento cirúrgico que se realiza para correção de cardiopatias congênitas (atresia tricúspide e coração uni-ventricular), em que a cava superior ou inferior, ou o átrio direito, se anastomosa na artéria pulmonar.

Iatrogenia (é a infusão de solução pobre em proteínas no espaço pleural)

Pericardite constritiva

Urinotórax

Obstrução da veia cava superior

Mixedema

Desnutrição

Sarcoidose

Fístula liquórica para a pleura

Procedimento de Fontan (procedimento cirúrgico realizado para correção de cardiopatias congênitas (atresia tricúspide e coração uni-ventricular), pelo qual a cava superior ou inferior, ou o átrio direito, é anastomosado na artéria pulmonar.

Exsudato

Neoplasia: metastática, mesotelioma; Doenças infecciosas: infecção bacteriana, tuberculose, infecções por fungos, vírus e parasitas; Tromboembolia pulmonar; Doenças cardíacas após cirurgia de revascularização miocárdica, doenças do pericárdio, síndrome de Dressler (pós-injúria do miocárdio), cirurgia de aneurisma de aorta; Doenças gastrintestinais: pancreatite, abscesso sub-frênico, abscesso intra-hepático, abscesso esplênico, perfuração de esôfago, hérnia diafragmática, esclerose endoscópica de varizes de esôfago, após transplante hepático; Colagenoses e outras doenças imunológicas: artrite reumatóide, lúpus, eritematoso sistêmico, febre familiar do Mediterrâneo, granulomatose de Wegener, Sjögren, Churg-Strauss; Drogas: nitrofurantoína, dantrolene, metisergide, amiodarona, bromocriptina, procarbazina, metotrexate, interleucina 2; Hemotórax: trauma torácico, iatrogênico, complicação de anti-coagulação na tromboembolia pulmonar, hemotórax catamenial, rupturas vasculares; Quilotórax: cirurgias cardiovasculares, pulmonares e esofágicas, linfoma, outras neoplasias, traumas torácicos ou cervicais; Outras causas: exposição ao asbesto, após infarto miocárdico ou pericardiectomia, após cirurgia de revascularização miocárdica, síndrome de Meigs, síndrome das unhas amarelas, após transplante pulmonar, uremia, radioterapia, pulmão encarcerado, pós-parto, amiloidose, queimadura elétrica, iatrogênico.//

Exames que indicam o Derrame Pleural:

Além das dosagens de proteínas e da desidrogenase lática (DHL), realizadas em todos os pacientes com derrame pleural, para a diferenciação entre transudato e exsudato.

Outros exames para diagnóstico de derrame pleural são:

Citologia oncótica

Dosagens imunológicas

Biópsia pleural

Radiografia de tórax

Ultrassonografia

Tomografia computadorizada.

Sintomas de Derrame Pleural:

Quanto maior for o derrame, e quanto mais rápido ele se forma, mais sintomas ele causará.

Quando olhamos para a ilustração abaixo, mostrando a compressão de um pulmão pelo excesso de líquido pleural, é fácil compreender por que o sintoma mais comum do derrame pleural é a falta de ar (dispneia).derrame pleural 1

Quando o derrame aparece de maneira súbita, a falta de ar é mais percebida. Quando ele se forma lentamente, e se associado a outras doenças que também provocam falta de ar, por exemplo, insuficiência cardíaca, ele pode passar despercebido por certo tempo.

Alguns derrames pleurais podem ser tão volumosos tanto quanto 4 litros, o que é suficiente para comprimir totalmente o pulmão afetado.

Outro sintoma comum do derrame pleural é a dor torácica que costumeiramente ocorre quando a pleura está irritada. Ela é uma dor em pontada que se agrava toda vez que o paciente respira fundo. Este tipo de dor é chamado de dor pleurítica. Muitas vezes também aparece uma tosse seca irritativa.

A dor e a falta de ar são basicamente os dois sintomas próprios do derrame pleural. Os demais sintomas que normalmente acompanham o quadro costumam ocorrer devido a doença de base, como febre e tosse na pneumonia, tosse com raias de sangue no câncer de pulmão, ascite na cirrose, pernas inchadas na insuficiência cardíaca, etc.

Tratamento do Derrame Pleural:

O derrame pleural não é uma doença em si, mas um sinal de uma doença. Portanto, a simples drenagem do líquido é apenas um procedimento paliativo, já que, se a causa não for tratada, a maior hipótese é de que o derrame se forme novamente.

O derrame pleural será resolvido assim que a doença que o está causando for controlada. Infecções são controladas com antibióticos, insuficiência renal com hemodiálise, doenças auto-imunes com imunossupressores, etc.

Em algumas situações, quando a doença de base não tem tratamento efetivo, como em muitos casos de cânceres metastáticos, uma opção para se evitar a formação repetida de derrames pleurais é a esclerose da cavidade pleural. Injeta-se uma substância irritante dentro da pleura causando uma grande cicatrização da mesma e aderência dos folhetos parietal e visceral, eliminado assim, o espaço pleural.

 Fonte: Pesquisas online
 Imagens: Bing

 Imagem de Amostra do You Tube

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *